Comprar

Avenida Samba Canção - A beleza e poesia de sambas-enredo exaltadas em show

Participação especial: Moacyr Luz

11 de julho | Qui: 19h

Comprar

A beleza e poesia dos sambas-enredo pedem passagem! O Avenida Samba Canção, exalta a beleza dos sambas que marcaram tantas épocas provando que o gênero encanta o público também fora do período da folia. Idealizado pelo músico Igor Eça, que com toda sensibilidade e talento criou arranjos memoráveis para sambas-enredo escolhidos a dedo. O resultado é um espetáculo absolutamente especial, onde se evidencia exatamente isso: a beleza, poesia e importância deste subgênero do samba, genuinamente brasileiro, nascido no Rio de Janeiro.

As músicas são cantadas e tocadas mais lentamente e com arranjos que destacam as palavras, jogando o foco na poesia. O samba enredo narra uma história, muitas vezes com letras primorosas que, com o ritmo das baterias e a plasticidade das alegorias, acabam não sendo as únicas estrelas do desfile.  Essa é a essência do Avenida Samba Canção, através de outra roupagem mostrar a beleza, a poesia e a importância desses sambas”, explica Igor Eça.

De Exaltação a Tiradentes, samba da Império de 1949 (dizem que é o primeiro samba a ser desfilado, gravado e a fazer sucesso, sendo assim pode ser considerado o marco do nascimento deste gênero e consequentemente fazendo 70 anos em 2019) a sambas atuais. Passando por pérolas como “Herois da Liberdade” (Imperio 1969), onde um samba enredo consegue com o país mergulhado numa ditadura, apenas 2 meses depois de decretado o AI5 pedir o fim da tirania. Samba de Silas de Oliveira que usa uma velha tradição dos sambas enredo: dar voz aos heróis nacionais. Outra joia do roteiro: Onde o Brasil aprendeu a liberdade (Vila Isabel 1972), obra prima do Martinho que conta uma parte importante da história do Brasil, através das ricas manifestações culturais de Pernambuco. Os Sertões (Em Cima da Hora 1976), que chega a usar até partes do livro de Euclides da Cunha na letra do samba. E assim temos: Xica da Silva, Estrela de Madureira, Bum Bum Paticubum e outros mais.

Ao lado de Igor Eça ao violão e a voz cristalina da Paula Santoro, o percussionista Mingo Araújo forma a base do espetáculo montando a sonoridade de uma mini bateria de escola de samba ressaltando as nuances musicais do gênero.  

O show conta também com a participação do jornalista e crítico musical e profundo conhecedor do gênero Hugo Sukman “em cena” como um “Mestre Sala”, emoldurando o roteiro, ensinando e contando grandes histórias sobre os sambas-enredo.

Hugo Sukman no texto que escreveu para apresentação do espetáculo: “Ao fazer como canção os mais lindos sambas-enredos, Igor provoca essa estranha emoção da descoberta de algo que sempre esteve ali, como que intocado, despercebido, como se tirassem todas as fantasias e encontrassem a beleza do corpo nu. Ouvir aqueles sambas tão famosos só no violão, na voz de Paula Santoro e na levíssima percussão do Mingo Araújo (que contém a origem de toda bateria) é isso: uma espécie de alumbramento.”

A realização e coordenação do projeto são assinadas por Dulce Lobo.

Local: Teatro
Abertura da casa:
1h antes do evento
Classificação Etária: Livre


Ingressos

Plateia inferior e balcão: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

É obrigatória a apresentação do documento comprobatório de meia-entrada no acesso ao evento. A obrigatoriedade é válida para todas as categorias, incluindo o Programa Meia-Carioca.

Clique aqui e confira as regras de meia-entrada.


Como chegar
RUA DIAS DA CRUZ, 170 - MÉIER - RIO DE JANEIRO (21) 2597-3897 contato@imperator.art.br